Tem tempos que venho ensaiando escrever este texto. Acho que chegou a hora e queria que todos vocês lessem.

Em abril deste ano, o álbum HARD CANDY da cantora Madonna completa quatro anos de seu lançamento, mas continua gerando comentários. Naturalmente comparado com seu sucessor, o atual MDNA, o disco tem gerado um monte de críticas e comentários negativos, a seu respeito, que eu sinceramente, não entendo porque.

Obviamente, cada pessoa tem um gosto particular e uma predileção por determinado álbum. Eu mesmo nem incluo HARD CANDY como um dos meus álbuns favoritos, mas não consigo entender porque tanta gente, de uma hora pra outra começou a denegrir o álbum e apedrejá-lo. Venho notando essa tendência crescer e HARD CANDY virou um parâmetro de má qualidade entre os próprios fãs e eu sinceramente, acho um exagero e me pergunto até onde esses comentários são verdadeiros por questões de gosto, ou se são, com o perdão da liberdade de expressão,“Maria Vai-Com–As-Outrismos”.

Vamos falar dos problemas que eu encontro em HARD CANDY. O disco foi produzido e lançado nos últimos anos de contrato de Madonna com a gravadora Warner e isso o fez soar como uma “obrigação” da cantora com a empresa. Madonna não parecia se importar nem um pouco com o disco, pois quase não o promoveu. Deu apenas algumas entrevistas e fez três pocket-shows promocionais. Logo em seguida, saiu em turnê com a STICKY & SWEET TOUR, cuja maioria do repertório é formado por faixas de HARD CANDY e isso “apertou” ainda mais a promoção do disco, que só gerou 3 singles ( sendo que, MILES AWAY, o último deles, foi lançado de maneira desleixadíssima) e dois videoclipes ( o terceiro deles, uma edição de imagens ao vivo do DVD da turnê foi lançado SEIS meses depois do lançamento do single) e então, Madonna parecia estar mais focada em seu show do que em seu então novo disco, mesmo tendo sido capa de várias revistas na época. Um ano depois, a coletãnea CELEBRATION e os singles retirados dela, receberam o mesmo tratamento ou ainda pior.

Mas ai você compara a atual fase MDNA, onde Madonna deu poucas entrevistas ( uma no facebook e uma “Twittada” , não fez nenhum show promocional, e nem aparição em TV ( exceto o Superbowl – que compensou todas as outras faltas) e nem capa exclusiva de revista foi e se pergunta: porque MDNA parece tão melhor do que HARD CANDY? Eu acho que a resposta se encontra exatamente no “Fator Madonna”, que está muito mais presente no disco novo do que no anterior. Produzido por Justin Timberlake, Timbaland e Pharrel Williams, HARD CANDY soa pouco como Madonna e talvez isso faça com que muitos fãs desgostem do disco. Mas alto lá: Madonna sempre se arriscou em sua carreira e se ouvirmos seus discos individualmente vamos ver que todos são bem diferentes um do outro, mas de certo modo fazem uma ponte entre si. HARD CANDY também “desliza” porque foi moldado a uma sonoridade comum naquele período, sem criar nenhuma tendência como álbuns como RAY OF LIGHT ( 1998) ou EROTICA ( 1992) fizeram, mas que ao mesmo tempo era uma sonoridade bem ‘pasteurizada” e que parecia estar saturada. Outra coisa muito importante em TODOS os trabalhos de Madonna e que ficou confusa na fase HARD CANDY é que sua identidade visual meio que se perdeu. Por exemplo: Em discos anteriores, Madonna adotou uma persona para apresentar a seu público: Cowgirl, Guerrilheira, Dancing Queen – que realmente se perdeu em HARD CANDY. A principio a idéia de boxeadora foi aclamada pelo público, mas não passou de alguns editoriais antes do lançamento do disco e da capa do álbum. Tempos depois, essa boxeadora ressurgiu magnificamente num backdrop para DIE ANOTHER DAY em sua turnê mudial. E só. Até mesmo a capa e o encarte do CD ficaram com uam arte desprezada pelos fãs, ainda mais depois de revelado qual seria o conceito original da capa do disco.

Porém HARD CANDY tem pontos muito altos sim. Lembro de muitos fãs que aclamavam o disco assim que ele saiu, postavam fotos com o disco na boca como se fosse uma bala, algumas criticas da imprensa muito favorarveis elogiando o novo trabalho da rainha do pop e hoje, muitos desses fãs renegam o disco. Faixas comoBEAT GOES ON, MILES AWAY, SHE´S NOT ME, HEARTBEAT, GIVE IT 2 ME, 4 MINUTES ou DEVIL WOULDN´T RECOGNIZE YOU são ótimas músicas e “cresceram “ ainda mais no conceito depois de performadas na tour. Eu mesmo só não gosto de 2 faixas das 12 do álbum: SPANISH LESSON ( que ganhou mais pontos depois do show) e a péssima INCREDIBLE, mas dai a dizer que o disco é ruim, acho um exagero sem tamanho. O único pecado do disco ao meu ver é realmente conter pouco do “Fator Madonna” como estávamos acostumados a ter em outros lanaçmentos. Mas a partir do momento em que a música casa com a imagem, seja ao vivo ou em clipes ( como 4 MINUTES, que nada tinha de Madonna até que vimos o clipe e a música foi “devolvida” a ela), as coisas mudam não é interessante?

Toda essa minha reflexãogira em torno dessas opiniões que fazem em torno do disco. MDNA acabou de ser lançado e aclamado quase que unanimemente, ao menos por toda a imprensa relevante no meio musical e de cultura pop. Mas assim como aconteceu com HARD CANDY, será que os fãs que hoje elogiam, vão critica-lo amanhã? Lembrem-se que em 2008, HARD CANDY bateu recordes de venda em seu lançamento (mais de 280 mil cópias ) e que foi um dos álbuns mais vendidos naquele ano. Então, acho que a gente devia parar de criticar um disco que não é brilhante como LIKE A PRAYER, mas que nem de longe é ruim como dizem. Acho que o momento em que o disco foi feito, talvez não tenha sido o melhor ( divórcio, saída de gravadora, novos ídolos pop surgindo) e os frutos do amadurecimento dessa fase se refletem em MDNA, assim como aconteceu em outras fases onde Madonna colocou em seu disco, tons de autobiografia. Talvez, os melhores momentos das cantoras pop apareçam mais depois que elas sofrem e retratem sua dor e/ou revolta em seus álbuns. Talvez, HARD CANDY seja “percebido” tardiamente como foram EROTICA ou AMERICAN LIFE ( muito atacados na época de seus lançamentos). Talvez a gente dance GIVE IT 2 ME todos os dias daqui por diante ou talvez não. O fato é que o “Doce Duro” de roer de Madonna, continua gerando discussão, mesmo quatro anos após sua fabricação, o que realmente atesta que Madonna mesmo quando não aparenta querer, se torna “Grudenta e Doce”.

Sei que a leitura pode ter sido um pouco longa demais, mas eu precisava muito falar sobre isso. É apenas uma opinião sobre uma coisa que anda me incomodando muito. Obrigado por lerem!